sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Por mais Friozinho's na barriga...


Você consegue se lembrar qual foi a última vez que teve essa sensação? A última vez que sentiu aquele friozinho na barriga, aquelas borboletas no estômago que te tiraram o sossego de um modo bom? A sensação do inesperado, de não ter ideia do que pode acontecer? Dos pensamentos a mil que te fazem dar a volta ao mundo, uma, duas, três, quatro vezes em vinte segundos em dez segundos? Do arrepiar da pele, da tremedeira interna no seu corpo que parece que vai tomar conta de tudo, da boca seca e da pele quente, ruborizada ao se dar conta que tudo pode mudar ou  de que nada pode mudar? Você se lembra?.

Você não sente falta daquela expectativa do primeiro beijo, do primeiro encontro de mãos? De subir na sua bicicleta sem ajuda das rodinhas e andar meio metro antes de cair no chão? Daquele show tão esperado, da primeira dormida na casa do seu melhor amigo, da sua melhor amiga, da ida sozinho ao cinema com os primos? De ter que encarar aquela escola nova, de passar pelos portões da faculdade, de uma entrevista de emprego? Você sente falta?.

Não parece que hoje tudo se tornou mecânico? Tudo perdeu a graça? Nada nos dá mais aquela sensação boa do imprevisível já que encontramos em nossas agendas o passo a passo de nossos dias. Não existe mais a expectativa do encostar de mãos, do olhar dentro dos olhos do outro e conseguir ver um mundo em que podemos permanecer e sermos felizes ali. Nós conversamos, nos arrumamos, nos encontramos, nos beijamos, voltamos para casa, decidimos se gostamos ou não, se a pessoa possui as características necessárias que achamos ser a mais adequada para nossa vida, decidimos ficar ou partir para outra. E decidir ficar, nem sempre quer dizer que vai poder ficar porque você ainda tem que bater com os requisitos do outro. Não importa se ele te fez sorrir ou se ela tem uma conversa interessante, ele não tem olhos azuis e ela não é uma morena espetacular.

Tudo parece árduo demais, se arrumar para encontrar com  o outro, se arriscar e mudar de um emprego que não te traz felicidade alguma, deixar aquela pessoa que não te dá tesão algum. Ajudar aquele amigo que não teve tanta facilidade em aprender como você teve, tentar o novo, recomeçar para quê?. Esses dias perguntei para um amigo que loucuras ele faria nesse feriado e a resposta que veio foi "Não posso fazer nenhuma loucura, to casado agora", acredita nisso? Então refiz a pergunta, "Que loucuras você e a sua esposa farão nesse feriado? como pretende surpreende-la?", só porque você casou as loucuras acabaram? Tem coisa mais gostosa que fazer loucuras com a pessoa que você escolheu para ficar ali, ao seu lado, para sempre?.

Felizes daqueles que não se satisfazem com o bom, que buscam o melhor, que conseguem sentir aquele friozinho na barriga, com o novo, com o velho. Aqueles que não desistem de novas sensações, que conseguem ver muito mais que a cor dos olhos de uma pessoa, que viaje para longe quando o seu corpo toca outro corpo, quando se depara com o novo e não tem medo de cair logo ali na frente depois de meio metro. Feliz daquele que se permiti sentir, que permite que o outro sinta, que gosta de surpreender, que não para mesmo alcançando um objetivo. Que se embriaga no balanço de uma dança desajeitada, que se perde num sorriso, que delira ao ouvir um sim e não se abate ao ouvir um não. Felizes daqueles que Vivem com um único medo, o de não ter vivido tudo intensamente o suficiente.     

Por onde anda o seu Friozinho na barriga?