quinta-feira, 23 de julho de 2015

Amor de Irmãos

Eles são as pessoas mais irritantes do mundo inteiro, estão sempre brigando com a gente, sempre enchendo o saco. Fazem chantagem quando descobrem algo que fizemos errado e mesmo sedendo a isso, eles sempre acabam soltando uma hora ou outra para os nossos pais, basta depois de um século você fazer algo de que eles não gostem que todos os seus segredos são entregues assim, de bandeja. São donos das chantagens emocionais mais eficientes existentes na face da terra, mas basta que uma pessoa de fora se ache no direito de fazer as mesmas reclamações sobre eles ou dizer o quão chato eles são que você logo solta "Ei, tem certeza que vai falar mal do meu irmão(ã)? Eu posso, mas você não!", você com certeza pode falar mal deles mas ninguém mais.

E para minha "sorte", dependendo do ponto de vista é claro, eu ganhei dois. Uma irmã mais velha e um irmão mais novo e eu claro sou aquela, a do meio, que ninguém lembra que existe, aquela que nem é o caçulinha fofo nem a que deve ser a mais responsável, só a do meio mesmo e faço drama sim, só quem é filho do meio para saber da nossa crise existencial.

Três irmãos, três personalidades completamente diferentes. É claro que na maioria das vezes vai sair algumas faíscas quando ficam no mesmo ambiente e bem próximos por muito tempo. Brigas sem fim, discussões, chantagens, corta aqui que não quero mais falar com você, caras emburradas, eu vou contar para minha mãe, espera meu pai chegar, você vai ver, eu se fosse você dormia com um olho aberto, fazia muita parte do nosso dia a dia.

Mas sabe o que também faz parte do nosso dia a dia? Sua irmã sair gritando desesperada, ligar para todo mundo para avisar que você tinha se cortado ao tentar agarrar uma bola chutada por ela e resolveu tentar se equilibrar segurando numa janela que quebrou com seu peso. Era sangue para todo lado, ela não parava de chorar achando que você ia morrer com o corte no braço, mas conseguiu ajuda que me levou para o hospital aonde levei alguns belos pontos.

Você ligar quatro horas da manhã de um celular desconhecido para o único número que sabe decorado, o do seu irmão, pois deixou o seu dentro do carro, entregou a chave dele para sua prima guardar na bolsa e ela vai embora te deixando sem lenço e sem documento numa balada. E ele atendeu mesmo sem identificar o número e mesmo sendo uma ligação a cobrar. Resolveu tudo para mim e ligou de volta avisando que minha prima estava voltando para entregar a chave, ufa.

Certa vez eu li que "ter um irmão é ter, para sempre, uma infância lembrada com segurança em outro coração", e hoje eu tenho certeza disso. São muitas lembranças que guardo com muito carinho. Nós brigamos e nos desentendemos, como todos os irmãos do mundo inteiro, mas nunca deixamos que nada enfraqueça nossa relação.

Ta aqui na memória e no coração, todas essas experiências que só conseguimos viver com eles, que estão lá sempre com a gente. O Rafa colocando a culpa em mim até hoje por ter caído de cara no sofá e tido que levar uns pontos na sobrancelha por causa de uma corrida que fizemos no corredor de casa, mesmo eu tendo chegado primeiro que ele, "não sei como você fez, mas você que me deu uma rasteira para eu cair" e a Tati confirma "tava querendo matar ele" e eu sempre com a minha resposta "se eu quisesse matar ele, ele não tava aqui contando essa história. Como eu dei uma rasteira nele se eu tava apostando corrida e cheguei no final primeiro que ele?" não adianta a explicação, eu vou ser sempre a culpada.

E quando eu fui dormir e senti algo pesado caminhando na minha perna e saí correndo gritando, tinha certeza que era um rato, um rato enorme. Meu pai e o Rafa foram procurar o rato enquanto eu, a Tati e minha mãe ficamos do lado de fora subidas numa cadeira gritando toda vez que víamos o ratinho e eles não. Até que eles conseguiram matá-lo, e o que os dois fizeram? Saíram correndo com ele atrás da gente. Foi uma gritaria só, minha irmã entrou e se trancou no lavabo e deixou eu e minha mãe batendo na porta e gritando que nem umas desesperadas e você acha que ela abriu?. Eu não sei como os vizinhos não chamaram a polícia naquela noite, eu só sei que não parávamos de rir depois de tudo.

Eu poderia escrever o  dia inteiro sobre todas as coisas que já passamos juntos, por todos os apuros, por todas as brigas, por todas as alegrias. Sempre vejo frases como "família a gente não escolhe, mas amigos...", então devo ser uma pessoa de muita sorte porque eu não escolhi a minha família, mas é a parte de mim que eu mais amo e meus irmãos são também meus grandes e eternos amigos, com quem eu posso contar a qualquer hora. Ter amigos é bom sim, mas ter uma família como a minha além de ser perfeito é especial. É algo que não consigo descrever porque é puro amor.

Ela acha que pode colocar algum juízo na minha cabeça. Ele acha que pode me defender de tudo e de todos. Ela tenta me alegrar e mostrar como eles são os idiotas da história com meu coração partido. Ele faz de tudo para me alegrar e me fazer sorrir quando só me vem lágrimas. Ela age como se fosse uma mãezona protetora e mandona. Ele me vira de ponta cabeça, me coloca no ombro, sai correndo e faz um bando de cósquinha até não aguentar mais e Ela diz que eu sou o brinquedinho dele. Eles me irritam com verdades e me aconselham com carinho. 

Quem tem um ou dois ou três ou quinze irmãos sabe que não há companhia melhor no mundo. E que você pode falar mal, mas ninguém mais. Ouviu?. E estamos sempre juntos, mas ás vezes esquecemos de dizer o quanto eles são importantes na nossa vida e o quanto somos gratos por estarem ali com a gente. Você já disse que o ama hoje? que os ama hoje?

Eu amo muito vocês!. Mas não se acostumem com declarações e nem achem que vão ouvir isso sempre, e tenho dito.